quinta-feira, 23 de abril de 2015

CHUVA FINA







Lá fora a chuva está caindo,
Gotas silenciosas, estou ouvindo,
Marcam doses do meu destino,
Que eu mesmo traço, eu mesmo primo.
.
A tranquilidade desse momento,
Me faz mergulhar no pensamento,
Me traz lembranças boas e diversas,
Enquanto escrevo esses poucos versos.
.
O silêncio inquietante predomina,
No barulho ameno das águas pluviais,
Nada mais além se escuta, e até fascina,
E acalma meu coração que pede mais.
.
É gostoso esse burburinho na telha batendo,
A água escorre e estala no solo derramando,
Lembranças do passado vão me aquecendo,
Coisas que trazem saudades, e que valorizamos.
.
Esse momento especial mexe com o meu ser,
Me faz relembrar de fatos marcantes,
Acontecimentos antigos que não mais se podem ter,
Que tentam se renovar na mente viajante.
.
Gotas serenas enriquecem um cenário elegante,
O verde se assanha com a sobrevida que desce,
O tempo congela no vazio, um instante,
Do feito diverso que a outro mundo enaltece.
.
A água bate de jeito e escorre no meu peito,
Tudo o que eu fiz, ou aquilo que não foi feito,
Num passado latente, deixado em cada esquina,
É a saudade que me traz essa gostosa Chuva Fina.

Nenhum comentário: